sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Oh Anna Julia ah! Ah!

Pois é, a jovem Ana Julia fez uso da palavra na Assembleia Legislativa do Paraná e vendeu seu peixe. Seu discurso caminhava até que bem, pela sua idade, até o momento que – acho que sem querer ou perceber – usou uma tática comum nos dias atuais, transferir a responsabilidade de alguém para outros e deu no que deu, virou celebridade, até Lula e Dilma se encantaram com a menina e não sei se tal apoio é ou não benéfico à ela, mas isso é uma outra estória.

Lendo sua entrevista ao jornal Gazeta do Povo, em dado momento ela cita que “A medida provisória [que prevê a reforma do ensino médio] não vai ser a melhor coisa pra gente. Nós queremos um canal de diálogo, para que a gente possa participar dessa construção”. Suas palavras demonstram falta de conhecimento no assunto ou um jogo de palavras tentando justificar o injustificável.

A proposta visando alteração do ensino, se ela não sabe, já caminha há mais de 10 anos e nasceu justamente pelas notas de conhecimento obtidas pelos exames nacionais em vigor, tal como IDEB, ENEM e assim por diante. O citado canal de diálogo que ela reclama, esteve por 2 anos aberto para receber criticas e sugestões, no período de 2012 a 2014 e para sua ciência, tomo a liberdade de informar, que suas professoras(es) sabiam do andamento do processo e, se não comunicaram os alunos, faltou algum tipo de interesse naquele momento.

O Ministério da Educação, neste momento, só está dando andamento a um processo que se arrasta faz tempo, como já citado, e há uma verdade absoluta nisso tudo, o estudo é fraco, principalmente quando se fala em português e matemática que são primordiais ou ela tem ciência que vários cursos superiores se utilizam do primeiro ano para fazer revisão de matérias básicas a toa?

No seu discurso ela tenta transferir a culpa da tragédia para a sociedade se baseando em fatos que ela vivenciava. Ela não citou em momento algum que no Cesmag, onde ela militou, sua mãe esteve presente assim como seu pai, coisa que era proibida na maioria das escolas ocupadas, inclusive proibiam a entrada de membros do Conselho Tutelar que em razão do ECA, lá estavam para garantir a segurança dos jovens. É mais um tópico que ela se contradiz.
Todo movimento não nasceu no colégio que ela frequenta e pode ser que lá. No seu reduto, braços de partidos políticos não entrem, mas é só lá. No resto o pai da criança atende pelo nome de UPES, com apoio das APP´s da vida, PCdoB, Psol e os cambaus, ela pode ser a líder – e assim será – no seu reduto, no restante não, é uma questão de ocupação de espaço, a história que ela tanto admira, mostra isso.


Menina inteligente, de ótima formação – mãe professora e pai advogado – quase acerta no seu intuito. Errou ao mostrar que não conhece os fatos e falar sem possuir sustentação da fala e pior, tentar tirar das costas dos idealizadores do manifesto uma culpa que, em todos os sentidos, lhes são exclusivas. Mas ela é jovem e pode ser, futuramente, uma liderança séria que precisamos, basta que, para tanto, tenha uma visão abrangente a respeito das necessidades e anseios da comunidade e não seja mais uma a usar viseiras de animais pois ai, só nos resta relembrar a canção dos Hermanos, 


Oh Anna Julia ah! Ah......

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Liberdade cristã nos EUA, Rússia, Israel e Brasil

 

Embora fossem majoritariamente evangélicos em sua origem, os EUA

não privilegiam hoje o evangelicalismo e o governo americano claramente o desfavorece. Nas leis de liberdade religiosa dos EUA, todas as religiões são iguais. Assim, o evangelicalismo que fundou os EUA está oficialmente no mesmo nível do islamismo, do hinduísmo, do catolicismo, da bruxaria, etc.

 

De acordo com esse sistema americano de igualdade, oficialmente Jesus Cristo está no mesmo nível de Maomé, Belzebu e Satanás. Aliás, nas escolas americanas você pode rezar a Satanás e recitar o Corão islâmico, mas você não pode orar a Jesus Cristo nem recitar a Bíblia.

De acordo com esse sistema, o governo americano não pode honrar sua fundação evangélica acima do islamismo, hinduísmo, catolicismo, bruxaria, etc. Se o governo americano quiser parceria religiosa, não pode dar preferência ao evangelicalismo. É obrigado a dar parceria igual ao islamismo, hinduísmo, catolicismo, bruxaria, etc.

Na Rússia, que é o maior país cristão ortodoxo do mundo, não existe essa igualdade. A Igreja Cristã Ortodoxa é reconhecida pelo governo russo como a maior religião cristã da Rússia. Católicos e evangélicos, que são dois por cento da população russa, são cidadãos religiosos de segunda classe. Os ortodoxos têm lá suas razões para fazer isso com os católicos, considerando que o Vaticano sempre hostilizou a Igreja Ortodoxa, vendo-a como rival de sua supremacia.

Os ortodoxos parecem guardar mágoas contra os católicos por causa de uma invasão de cruzados católicos em Constantinopla, que era a capital da Igreja Ortodoxa. Constantinopla foi saqueada, estuprada e vitimada por causa desse ódio antigo. Embora seu foco tivesse sido em grande parte nos muçulmanos, as Cruzadas católicas vitimaram também multidões de inocentes judeus e cristãos ortodoxos. Mas os evangélicos nunca agiram assim com os cristãos ortodoxos. Daí, os ortodoxos não deveriam colocar os evangélicos na Rússia como cidadãos religiosos de segunda categoria.

O Brasil imita os EUA em liberdade religiosa. Nas recentes Olímpiadas no Brasil, o jogador Neymar, que é um evangélico nominal, foi criticado pelo Comitê Olímpico por usar uma faixa escrita “100% JESUS.” Mas o mesmo Comitê Olímpico não criticou o encerramento oficial das Olímpiadas, o qual mostrou mães-de-santo e uma glorificação descarada das religiões afro-brasileiras.

Muitos cristãos protestaram que isso foi discriminação. Mas o que eles queriam? Eles queriam que o mesmo respeito e consideração dados aos demônios fossem igualmente dados a Jesus? Eles queriam que Jesus fosse igualado aos demônios?

Na democracia de igualdade, Jesus não é melhor do que um orixá ou Satanás. No Jornalismo da TV Cultura em 20 de agosto de 2015, o historiador Leandro Karnal disse: “Se é proibido debochar ou insultar religiões, uma questão que está sendo discutida no Rio de Janeiro, vamos lembrar que satanismo também é religião e quando um pastor começar a mandar sair o demônio de alguém, a gente pode multá-lo porque ele está insultando a fé do satanista, já que o demônio também gera uma religião. Quem quiser atacar o demônio, chicotear o demônio também tem de ser multado porque está insultando a fé em Satanás.” Você pode assistir aos comentários dele aqui: https://youtu.be/wzpqu8ZMKag

Muitos podem achar que a luta pela igualdade legal é útil, mas está trazendo mais direitos para Satanás e seus demônios e não glorifica Jesus, e glorificar Jesus é a missão mais importante do cristão. A missão do cristão não é lutar para que Jesus tenha, na democracia, o mesmo valor de Satanás e seus demônios.

Quer as leis reconheçam isso ou não, Jesus está acima dos orixás e de Satanás, que são criaturas caídas condenadas ao inferno. Jesus não é criatura. Ele é o Criador e Senhor. É blasfêmia concordar com leis que igualam criaturas caídas com o Senhor que cria, salva e transforma.

Não gosto do sistema americano atual que nivela Jesus com Belzebu. Se ressuscitasse hoje, George Washington, o primeiro presidente dos EUA, lutaria contra esse sistema, pois ele era favorável à prática, comum no início dos EUA, de que todo político, para ser empossado, deveria declarar juramento, com a mão na Bíblia, de que cria na Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo.

E não gosto do sistema russo que coloca a Igreja Ortodoxa como uma igreja cristã acima das igrejas evangélicas. Mas o sistema atual dos EUA parece muito pior.

Contudo, se os EUA acham o sistema da Rússia pior, por que não criticam também Israel? Assim como na Rússia, os evangélicos em Israel não são mais que 2 por cento. O Centro de Pesquisa Pew nos EUA identificou Israel como um dos países que coloca restrições elevadas nas religiões. O Pew disse:

“Mas a lista de países com restrições elevadas também contém alguns que são amplamente vistos como democráticos, tais como… Israel. A pontuação elevada de Israel se deve ao… seu tratamento preferencial aos judeus ortodoxos. O governo reconhece apenas as autoridades religiosas judias ortodoxas em alguns assuntos de condição pessoal (tais como casamento) com relação aos judeus e emprega a maior parte das verbas religiosas para os judeus ortodoxos, ainda que eles representem apenas um minoria de todos os judeus em Israel.”

Em seu livro “Perseguidos: A Agressão aos Cristãos” (Thomas Nelson, 2013), Paul Marshall diz:

“Em outro exemplo, em Israel, o proselitismo é legal enquanto não se oferece benefícios materiais para conversões. Mas elementos dentro do governo às vezes agem como se esse não fosse o caso. Pessoas suspeitas de serem missionárias têm vistos negados e às vezes são presas e obrigadas a pagar fiança e assinar termos de compromisso de não evangelizar. Ocasionalmente, multidões de pessoas atacam igrejas ou outros prédios que abrigam conventos.”

Em comparação com os países islâmicos, Israel oferece muito mais liberdade aos cristãos. Mas em comparação com os EUA, Israel lhes oferece muito menos liberdade. Aliás, se nos EUA os judeus fossem tratados como os cristãos são tratados em Israel, haveria queixas de “antissemitismo.”

A mesma realidade se aplica à Rússia. Em comparação com os países islâmicos, a Rússia oferece muito mais liberdade aos cristãos. Mas assim como Israel protege e privilegia sua religião principal, a Rússia faz a mesma coisa pela Igreja Ortodoxa Russa.

Portanto, a histeria da mídia americana contra a Rússia é sem base. Quando a Rússia estabelece alguma restrição para atividades religiosas não registradas, a mídia americana grita “censura” e “volta da União Soviética.” Mas essa mesma mídia não grita nada sobre as restrições israelenses às atividades de evangelismo cristão em Israel. Aliás, fica em silêncio.

A mídia americana, que faz muito estardalhaço com a Rússia, não faz o mesmo estardalhaço com a Arábia Saudita, que mata cristãos e proíbe a Bíblia e cultos. A única diferença parece ser que a Rússia é inimiga política dos EUA e a Arábia Saudita é oficialmente “amiga.” Exatamente como Israel, a Rússia não assassina cristãos e não proíbe a Bíblia e reuniões de adoração registradas.

Evidentemente, todos esses países precisam de uma mudança poderosa.

Israel precisa de um avivamento, para viver as maravilhas do Messias Jesus Cristo.

A Rússia precisa de um avivamento, parar entender que melhor que a Igreja Ortodoxa Russa é viver para Jesus Cristo.

Os EUA e o Brasil precisam de um avivamento, para pararem de igualar Jesus e Satanás e colocá-los no mesmo nível em suas leis de liberdade religiosa.

O autor do livro “The Pink Swastika” (A Suástica Rosa) Scott Lively, que conhece muito bem os desafios de liberdade religiosa nos EUA e Rússia, ofereceu seu comentário para meu blog:

“Neste conflito antiquíssimo de grupos doutrinários, é importante reconhecer que todas as denominações e instituições eclesiásticas não conseguem plenamente refletir ‘O Caminho do Messias’ conforme ensina a Bíblia inteira. Qualquer movimento ou instituição religiosa que tenha a pretensão de falar em nome de Deus ou fornecer ‘a única via verdadeira’ de comunhão com Ele comete o pecado da arrogância. Nenhum dos apóstolos afirmou ser portador de infalibilidade e suas perspectivas variavam amplamente, resolvendo suas diferenças de forma prática (votando). Paulo tratou da questão de disputas doutrinárias de modo direto em 1 Coríntios, admoestando a igreja a ‘não julgar antes do tempo, mas aguardar até a vinda do Senhor.’ Enquanto isso, precisamos buscar a unidade espiritual de TODOS os crentes em Cristo nos pontos em que podemos concordar — inclusive os judeus fieis à Torá que ainda não reconheceram Jesus como Messias — e abordar nossas diferenças com amor e humildade.”

Versão em inglês deste artigo: Christian Freedom in the U.S., Russia, Israel and Brazil

Fonte: www.juliosevero.com

Albanismo e o reajuste salarial de servidores

O que existe de "ismos" por aí não é mole e se criaram o Chavismo, Lulismo, eu, Ronald Albanez, me dou o direito de chamar meus pensamentos de Albanismo e, como em todo "ismo", a maioria discorda pois a velha máxima ainda predomina, há governo? Sou contra!

Com relação as greves que aí estão, pensamos que o maior crime ao servidor leva o nome de porcentagem, este mecanismo beneficia os mais abastados em detrimento da maioria, os que recebem menos, explicamos. Fazendo uma comparação com um servidor de ganha R$ 10.000 com um coitado que recebe R$ 1.000. Um aumento de 10% para as duas categorias vai dar R$ 1.000 para um e R$ 100,00 para o outro. O Kg do feijão possui o mesmo preço para um e para o outro, portanto, alguém leva vantagem neste caso. Propomos então o aumento em valores reais iguais ou seja.

Tomando como base o orçamento de prefeitura de Foz, em torno de 300 milhões com a folha de pagamento. Após estudos do presente e sem risco de afetar a legislação no futuro, chegou-se a conclusão que 3% da folha poderia ser dado de aumento. Isso implica em um montante de R$ 9 milhões. Como a prefeitura possui (hipoteticamente) 6.000 servidores na ativa e aposentados, o rateio seria dado de forma igual a todos ou seja, 9.000.000/6.000 seria igual a R$ 1.500 para cada servidor e fim de papo.

R$ 1.500 para quem ganha 10.000 significa 15% de aumento mas, 1.500 para quem ganha R$ 1000 seria um estrago, esta sim seria uma distribuição de renda justa. Sindicalista vão chiar mas não tem como, o Lula e a Dilma não fizeram isso o tempo todo no que diz respeito ao aumento do Salário Mínimo com relação aos beneficiários que ganham acima deste salário? Onde o percentual é maior para uma categoria e menor para as categorias acima de um certo piso, questão de justiça social.

Um procedimento desta natureza faria com que as greves que pipocam por ai fossem reduzidas pois é sabido que tem se encontra no topo da pirâmide e com maior poder de persuasão é a minoria. A grande maioria são os trabalhadores que habitam a parte inferior dos ganhos. Esta maioria sendo beneficiada, dificilmente entraria neste debate.

Aumento de salário baseado "no por cento" aumenta a distância entre os que mais ganham daqueles menos favorecidos. Um aumento dado nos moldes que criamos, a diferença será sempre a mesma e se alguém questionar pela queda do padrão de vida, informo que há vagas no Canadá, Índia, entre outros países cujos salários ultrapassam a cada dos 30.000 dólares mensais, fora as mordomias.

Albanismo, para aqueles que são neoliberais, que quer ver o estado longe da economia onde o mercado, por sí só, garante o crescimento econômico e o desenvolvimento social de um país. Que acredita que o mercado do emprego deve ser mais atraente na iniciativa privada que no público pois, o segundo, não gera riquezas.

Até o próximo assunto...

sábado, 24 de setembro de 2016

Currículo de uma candidata – 51.456




Vamos entrar na última semana de campanha política, onde iremos definir os rumos de nossa Foz do Iguaçu para os próximos 4 anos. Naturalmente, a escolha de nossos candidatos se dá através de algumas variáveis, como seu passado, seu trabalho em prol da comunidade, sua honestidade e assim por diante. Neste momento eu te pergunto, o candidato que você pretende votar possui as qualidades a seguir?

Presidente da creche Irmã Ernesta que hoje se chama Nossa Senhora da Conceição;

Fundou, há mais de vinte anos, a UDF que acolhe deficientes físicos com vários projetos, entre eles o basquete sobre cadeiras de rodas;

Que sua mobilização, junto com os empresários e a comunidade, fez com que o Morumbi recebesse uma agência do Sicredi;

É presidente da capela mortuária do Morumbi através da única associação, a nível de Brasil, chamada de ASSICAV (Associação das Igrejas Cristãs Amor e Vida;

E...
 


Veja agora a matéria publicada no ClickFoz em 2012, clicando aqui, e tire suas conclusões...

Seu candidato não possui  tais serviços ou parecidos para a comunidade? É uma pena! Minha candidata ao legislativo possui tal currículo, ela não diz que vai fazer, já fez e muito pela comunidade e, com certeza, muito mais vai fazer.

Portanto, se está em duvidas, faça como eu, 

vote DILA, vote 51.456

E se gostou, ajude a divulgar para que sejamos felizes!

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

JUSTIFICANDO MEU APOIO - DILA 51.456

Meus seguidores no blog, facebook e twitter são, graças a Deus, pessoas qualificadas e sempre sou questionado por essa ou aquela opinião, por uma ou outra atitude que tomo, nada passa despercebido. E isso faz com que eu me sinta uma pessoa com sorte, muita sorte, pois sei que não estou rodeado de bajuladores e sim, pessoas que formam opinião, só crescemos.

No momento, o que posso dizer, é que algumas dúvidas pairam sobre a candidata a vereadora, DILA_51.456 e os motivos que me levam a apoiá-la. Antes do breve relato à respeito dos meus motivos, devemos dizer que, qualquer pessoa pública é vidraça, por mais honesta que seja, está sujeita a ser citada em um ou mais problemas que venham a existir e isso é fato, não se molha quem na chuva não entra. Na questão eleitoral cobramos caráter e idoneidade dos candidatos e mister é o eleitor que atento está a tais características, afinal, é seu dia a dia que está em jogo.

Meu apoio à DILA se dá, pelas minhas postagens anteriores, justamente pelo projeto político que acredito ser melhor para Foz e ela segue com o mesmo pensamento, coisa que outros candidatos - a maioria - não demonstram, seguem sempre a mesma toada. Mas o que justifica tal apoio?

Vamos voltar ao ano de 1998. Naquela época eu era filiado ao PSC que surgiu em razão da extinção do PRN e o presidente da época, companheiro de diversas campanhas, era o empresário Valdemar Cezário e ele, em seu escritório me pediu apoio para a pessoa da DILA que não conhecia até então e em 2000, auxiliei em sua campanha onde poucos votos a deixaram de fora. Quatro anos após, novamente lá estávamos engajados em uma nova campanha e novamente, alguns votos a deixaram fora da função de vereadora.

De lá, para cá, não concorreu mais mas não deixou a vida partidária, tendo em vista que foi presidente por longos anos do PSC local, do PSC Mulher no Paraná entre outros cargos. Em 2010, nós da executiva do partido tivemos que votar pela aceitação da senhora Cláudia Pereira como membro do partido e fomos totalmente contrários tendo em vista o projeto político de seu marido, Reni Pereira. Não satisfeito, a filiação dela foi enfiado goela abaixo pelo Sr. Ratinho Junior e isso, fez com que a relação política Dila/Ratinho começasse a se romper. Veio a eleição e o Reni foi eleito com a ajuda do PSC.

Eu não participei deste pleito e avisei a Dila quais eram minhas razões, ela acatou mas disse que, certo ou errado, deveria seguir junto com o partido, mostrando sua faceta de companheira. Após eleito, obteve cargos na prefeitura mas me alertou na época que iria cair fora do governo Reni pois as coisas não andavam a contendo, alguma cosa errada existia e assim foi, deixou o governo, deixou o PSC mas não deixou a política, fui um dos primeiros a ser convidado para um nova empreitada, o PEN que não me filiei até hoje, mas que estou junto com o pessoal como se filiado fosse, não é de meu feitio abandonar companheiros.

Para não estender muito a postagem, vou concluir dizendo que, meu apoio a candidata possui argumentos que foram construidos ao logo de décadas, não é coisa de agora e muito menos financeiro ou por troca de cargos. Meu apoio se dá pois é a única porta que possuo para acessar caminhos que me levem a um novo projeto político. Se surgiu uma citação negativa aqui ou ali, é natural como já disse no inicio, mas o conjunto da obra que ela criou ao longo de sua vida, me da certeza que estou no caminho certo.

Então nobres, espero ter justificado meu apoio e confirmo, voto e peço voto para a Dila 51.456 pois sei com quem lidando e se quiser e achar conveniente, VENHA COMIGO..

Antes que perguntem. Para prefeito vou seguir a máxima, cada macaco no seu galho, voto 18-MANSUR pois dentista é dentista, engenheiro é engenheiro e administrador, administrador.



terça-feira, 13 de setembro de 2016

VOTE DILA 51.456

Problemas existem e não são poucos e a cada dia, novos surgem e por isso mesmo, deixar que se acumulem, é tornar nosso amanhã mais difícil ainda. Abordo aqui o tema problemas em razão da curta conversa, via telefone, que tive com a DILA dias atrás e entre tantas questões pendentes, uma que ela citou me chamou a atenção, em que pé anda a questão da invasão do Bubas?

Claro que isso não é problema de um vereador e sim da pessoa que postula o cargo de prefeito da cidade mas, nas propagandas diárias, alguém viu a menção do assunto como meta de governo? A situação já é caótica do ponto de vista econômico, uma invasão tende a ser mais cruel para uma parte da sociedade que se dispõe - ou é obrigada - a viver desta maneira, seja por necessidade ou outro motivo qualquer. Quem se propõe a assumir o cargo máximo deve estar preparado para encarar esta realidade, a legalização das moradias, se for o caso, a construção da estrutura mínima para que essas famílias possam ter uma vida no mínimo, digna.

Estranhei o assunto partir de uma candidata a vereadora quando deveria partir de um postulante ao cargo majoritário mas mesmo assim, reforço minha tese que ela tem um olhar de futuro para nossa cidade, atitude que busca evitar que problemas de tais naturezas não sejam empurrados com a barriga fazendo com que a solução, mais adiante, se torne mais  complexa de se resolver.

Como eu sou aquele que "perturba", o chamado calo, a indaguei com relação ao contingente de pessoas, mendigos, que habitam viadutos e prédios abandonados na cidade que, na maioria dos casos, vivem das drogas e furtos em nossa cidade e, pela sua condição de turística, não poderia existir.

Obtive como resposta a existência de mecanismos que podem amenizar, já que acabar de uma vez por todas é impossível, a situação. O que falta é uma cobrança eficaz ao gestor do município, principalmente a área ligada a Assistência Social. Deve-se levantar a necessidade e a dificuldade de tais servidores dando-lhe condições de execução de suas tarefas com maestria, foi o dito.

Citei neste post duas coisas que acho de interesse geral e que ninguém, exceto a DILA, abordam. Outros temas espinhosos e que não constam na pauta de candidatos, foram abordados, mas se comentar todos eles, vou acabar escrevendo um livro. Sendo assim, resta claro que, entre os bons candidatos à legislatura municipal, a DILA é uma delas e depositar seu voto para o 51.456, é quase certo a certeza de não arrependimento no futuro. 

Vamos mudar Foz do Iguaçu, vamos de DILA 51.456 para vereadora, chega dos mesmos, sem propostas, sem rumos, sem visão de futuro. Ótima semana à todos.


Se apoia, ajude na divulgação!

domingo, 11 de setembro de 2016

PEÇO SEU VOTO, HÁ UMA CAUSA



Neste momento estão prometendo o mundo e o fundo no horário político e não poderia ser diferente.  Cada um utiliza seus recursos disponíveis para obter os votos necessários que o levem ao cargo máximo no município. Há promessas para todos os gostos mas, você escutou alguém dizendo o que vai fazer, e como,  com a dívida que, só na área de saúde, beira os 110 milhões de reais e, queiram ou não, deverá ser quitada? 

Já ouviu algum falar que, antes de construir ou contratar, tal dívida deve ser sanada o mais urgente possível? Que a situação econômica brasileira é caótica e portanto, as obras que surgiram que nem passe de mágica no passado é praticamente impossível na atual conjuntura?

Não falam e sabem o motivo? Falta de um projeto consistente! Tudo é definido na base do vamos ganhar e ver o que faremos depois, prometer e cumprir se for possível, sempre foi assim. Há quanto tempo se escuta falar na Usina do Asfalto, Viaduto, segunda ponte, xerifes, empregos, entre outras pérolas. Não estou aqui para promover ou então, denegrir qualquer candidato à prefeitura, falo aquilo que acompanho desde a década de 80 e aprendi com o tempo, a razão de estarmos patinando.

Tudo gira em torno da ambição política de cada um que pretende ocupar o cargo máximo da cidade. Conta-se o que  ele pensa e não aquilo que deve ser pensado. Vivemos um ciclo de 4 em 4 anos e, aquilo que um faz, o outro destrói, e nesta toada, podemos oferecer algum futuro promissor à nossos filhos e netos? Se você acha que sim, você é um otimista. Eu não sou, pois as administrações que passaram me forçaram a ser pessimista.

Mas como mudar tal situação? No meu modesto modo de enxergar, a causa de tudo isso possui um nome, partidos políticos. Nenhum deles possui um projeto de longo prazo, um partido que dê sustentação ao dirigente maior, que faça que este mesmo dirigente pense exclusivamente na execução das metas partidárias, metas estas que, devidamente analisadas, possuam soluções para os problemas de hoje, amanhã e, principalmente, para o futuro.

Talvez seja meu sonho considerado como uma utopia mas como cidadão, tenho que fazer parte da política, tenho que questionar, tenho que fazer minha voz fazer valer, tenho que pensar em um rumo diferente para nosso município e até o momento, o PEN, através da DILA, foi o partido que pelo menos abriu as portas, escutam, parece que buscam abraçar a ideia e quem sabe, num futuro bem próximo, você possa escolher entre votar em um projeto de partido e não em uma pessoa que é conhecida, amigo do apresentador ou outra figura qualquer atualmente em destaque, vamos votar em um projeto de governo e não em um governo.

Pelo exposto e pela disposição em analisar e propagar aquilo que busco para a cidade, peço que considere seu voto para a DILA, ela, com experiência comprovada em direção partidária, vai contribuir e muito com o futuro de Foz, VOTE 51.456. Tenho certeza que, se eleita, seu mandato vai além daquilo que é obrigação de um legislador, já pensa e vai pensar ainda mais em soluções para nosso futuro.


Mas não devemos ficar só nisso, que tal você utilizar o comentário abaixo para que possamos discutir nosso futuro? Deixe de ser mais um para ser ator do processo, pois se deixamos nas mãos deles, podemos esquecer!

PENSE BEM, PENSE DILA – 51.456
Obrigado!